Cerca de 2.500 operacionais em Pedrógão Grande, Góis e Penela — Incêndios

Postado Junho 23, 2017

De acordo com o mais recente balanço de vítimas, feito esta quarta-feira de manhã, entre os 179 feridos, sete estão em estado grave, incluindo uma criança e quatro bombeiros.

Durante a tarde, a Autoridade Nacional de Protecção Civil anunciava a queda de um avião Canadair de combate aos incêndios, mas horas depois o comandante operacional da Protecção Civil, Vaz Pinto, negou que tivesse caído qualquer aeronave nas operações de combate.

Número de mortos avançou para 64. "Não houve nenhuma falha de comunicação".

Vaz Pinto explicou ainda que há vários pontos quentes numa zona de difícil acesso entre Porto Espinho, Coentral e Camelo, para onde estão direcionados o esforço e a concentração de meios.

"Trata-se de um perímetro muito grande, de cerca de 153km, e dentro existem várias bolsas que não arderam". O Jornal de Notícias destaca o problema das antenas de comunicação do serviços de emergência, que parecem ter sido danificadas pelo calor do incêndio, o que teria atrasado o trabalho dos bombeiros.

"Continuamos a contar, sempre que necessário, com os meios aéreos", disse.

Devido ao fogo em Pedrógão Grande, a Estrada Nacional 236 continua também cortada ao trânsito, no concelho de Castanheira de Pera (distrito de Leiria), e a alternativa é o Itinerário Complementar 3 (IC3), informou a GNR.

Em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, estão mobilizados 1210 homens, apoiados por 419 meios técnicos. No briefing matinal, Vaz Pinto referiu problemas técnicos, nomeadamente de visibilidade, que estavam a impedir estes meios de operar.

No combate às chamas, em particular no incêndio de Góis, estiveram ainda cerca de 180 bombeiros espanhóis e o Governo solicitou ainda apoio aéreo de Marrocos.

Já o incêndio em Figueiró dos Vinhos, no distrito de Leiria, estava em fase de conclusão e mobilizava 11 operacionais e duas viaturas, indica a mesma página.

O fogo deflagrou no sábado em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, e alastrou-se aos concelhos vizinhos. As chamas chegaram aos distritos de Castelo Branco, através do concelho da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra.