Começou a segunda fase de negociações — Brexit

Postado Julho 18, 2017

A segunda rodada de negociações sobre o "Brexit", a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), iniciou na manhã de hoje (17) na sede da Comissão Europeia, em Bruxelas.

As discussões devem durar quatro dias, durante os quais, diferentes grupos de trabalho se deterão sobre as primeiras prioridades já acordadas: direitos dos cidadãos, pagamento das dívidas, a questão irlandesa, entre outras. "Iremos examinar e comparar nossas respectivas posições para avançar", disse Barnier.

Esta será a primeira ronda de negociações dedicada inteiramente a fixar os termos de saída do Reino Unido, uma vez que a primeira, celebrada no passado dia 19 de Junho, serviu apenas para estabelecer o calendário e o método de trabalho dos negociadores, que passarão a reunir-se uma semana por mês em Bruxelas.

Mas em Londres a mídia britânica estava repleta de informações sobre disputas internas que ecoam as divisões sofridas pelo Partido Conservador, da primeira-ministra Theresa May, desde o referendo da UE.

No cento das negociações estarão os direitos dos cidadãos, a exigência da União Europeia de que o Reino Unido pague 60 mil milhões de euros para cobrir os compromissos com o orçamento europeu, pontas soltas como, por exemplo, o que acontece aos bens britânicos em lojas europeias no dia do Brexit, e delicada situação da fronteira entre a República da Irlanda (que integra a União Europeia) e a Irlanda do Norte (território que pertence ao Reino Unido).

"As verbas que vi mencionadas, parecem-me extorsivas", afirmou recentemente o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, acrescentando que os responsáveis europeus "bem podem esperar sentados" se acham que os britânicos vão pagar esses valores.

Lutando por autoridade após perder sua maioria no mês passado em uma eleição convocada por ela mesma, May enfrenta questionamento dentro de seu partido. Isso tem preocupado os negociadores da UE, que enfatizam que 20 meses é pouco tempo para negociar um divórcio harmonioso.

O ministro das Finanças, Philip Hammond, que como May fez campanha no ano passado para manter o Reino Unido na União Europeia, afirmou no domingo acreditar que a maioria de seus colegas de gabinete agora apoia a ideia de ter dois anos ou mais de período de transição após o "brexit", em março de 2019, para amenizar seus efeito turbulentos na sociedade e na economia.