Modelo negra de propaganda considerada racista defende o anúncio

Postado Outubro 12, 2017

As críticas foram muitas, a Dove pediu desculpa e retirou o post, as redes sociais incendiaram-se e recordaram todas as outras ocasiões em que a marca foi insensível com a temática do racismo.

"Isto é algo que vai contra tudo aquilo em que acredito", contou a modelo num texto de opinião que escreveu para o jornal britânico The Guardian.

"Não sinto que seja racista", declarou a modelo entrevistada pela BBC na quarta-feira, acrescentando que o anúncio ao gel de banho é maior do que os frames que foram retirados e que mostram apenas a passagem dela para a modelo branca e não mostram a asiática. Começa por dizer que cresceu "com uma noção bastante clara de que a sociedade pensava que as pessoas de pele escura, principalmente as mulheres, ficariam mais bonitas se a sua pele fosse mais clara". "Se eu tivesse a menor suspeita de que seria retratada como inferior, ou como 'antes' numa propagada de antes e depois, teria sido a primeira a dizer um enfático 'não'", escreveu. "Eu adorei. Os meus amigos e a minha família adoraram".

Lola Ogunyemi, a protagonista do último anúncio de uma marca de cosméticos que recebeu duras críticas por difundir uma mensagem considerada racista, já se manifestou e mostrou-se incomodada com a forma como a sua imagem foi utilizada. Ainda assim, consigo ver que muito foi deixado de fora.

Por fim, a modelo afirma que, apesar de compreender a decisão da Dove de pedir desculpa e retirar imediatamente a campanha de circulação, esperava que a marca defendesse a visão criativa e a escolha de uma mulher negra como a cara do anúncio.

Lola Ogunyemi não quis entrar a 'pés juntos' para com a Dove e, por isso, acrescentou que a "narrativa foi escrita sem fornecer aos consumidores um contexto no qual basear uma opinião informada". "Sou forte, sou linda e não serei apagada", conclui.