Trump faz sua primeira visita a China ao lado de Melania

Postado Novembro 09, 2017

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quinta-feira (09/11), em visita a Pequim, que a China poderia solucionar "fácil e rapidamente" a crise envolvendo o programa nuclear da Coreia do Norte.

Num discurso na capital chinesa, no rescaldo de uma reunião privada com o Presidente chinês, Trump também causou surpresa quando declarou: "Não culpo a China" por "se aproveitar" dos EUA - uma referência às estratégias de comércio global de Pequim, que o líder norte-americano acusou no passado de manipular o valor da sua divisa para anular a competição a nível mundial.

Embora a China tenha aprovado as últimas sanções da ONU contra a Coreia do Norte, com a promessa de aplicá-las, Washington deseja mais medidas de Pequim para asfixiar economicamente Pyongyang.

"Meus sentimentos em relação a você são bastante calorosos", disse Trump ao homólogo chinês.

"O mundo civilizado tem que unir-se para enfrentar a ameaça norte-coreana", insistiu, antes de pedir a todos "os países responsáveis" que parem de fazer negócios com o "regime assassino" de Pyongyang. Reconheço o mérito da China, mas, na verdade, as culpadas são as administrações passadas por permitirem este deficit comercial fora do controle - disse durante coletiva de imprensa.

Alguns grandes acordos foram anunciados, entre eles um investimento de 83,7 bilhões de dólares ao longo de 20 anos da China Energy Investment Corp na exploração de gás de xisto e projetos de manufatura química na Virgínia Ocidental, Estado norte-americano de grande produção energética que votou majoritariamente em Trump na eleição de 2016.

Mesmo assim, Trump e Xi assinaram acordos bilaterais de US$ 250 bilhões.

Na quarta-feira, no primeiro dia da visitam, Trump foi homenageado após a ópera em uma grande recepção, quando um grupo de crianças afirmou: "Bem-vindo à China!"