Custo da cesta básica cai em 17 capitais, aponta Dieese

Postado Dezembro 07, 2017

Manaus foi uma das 17 capitais em que a cesta básica diminuiu neste mês de novembro. No acumulado de novembro de 2016 a novembro de 2017, cesta básica individual teve queda de 14,43% no preço na Capital, segundo pesquisa divulgada hoje pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Apresentaram retração de preços: açúcar cristal (-5,08%), banana (-4,10%), feijão carioquinha (-3,15%), arroz agulhinha (-1,74%), leite longa vida (-1,66%), farinha de mandioca (-1,39%) e manteiga (-0,18%). O pão foi o único item que não registrou variação de preço em novembro (0,00%). Esses produtos e suas respectivas quantidades por pessoa adulta são: carne (6,0 Kg); leite (7,5 L); feijão (4,5 Kg); arroz (3,0 Kg); farinha de trigo (1,5 Kg); batata (6,0 Kg); tomate (9,0 Kg); pão de sal (6,0 Kg); café em pó (0,6 Kg); banana (7,5 Dz.); açúcar (3,0 Kg); óleo de soja (0,75 L) e manteiga (0,75 Kg). O custo teve uma redução de -1,66% em relação a outubro. No mês anterior o conjunto de itens alimentícios essenciais custava R$ 349,19.

Em números absolutos, a cesta custou, em novembro, R$ 328,21, o que comprometeu 38,07% do salário mínimo.

O Dieese ainda divulgou que, baseada na cesta básica mais cara do país, o salário mínimo do trabalhador brasileiro que sustenta uma família de quatro pessoas deveria ser R$ 3.731,39.

Em novembro de 2017, o tempo de trabalho necessário para adquirir os produtos da cesta básica em Manaus foi de 81 horas 10 minutos, ligeiramente inferior a jornada calculada para outubro de 2017, de 81 horas 59 minutos.

Das 21 cidades analisadas pelo estudo, 17 pagaram menos pelos produtos.

Campo Grande registrou a maior queda no preço dos produtos que compõe a cesta básica no período de um ano, entre as capitais do país. Isso porque quem ganha o salário mínimo recebeu R$ 862,04 após os descontos da parcela referente ao INSS sobre o valor bruto de R$ 937.