Em votação simbólica, Luiz Fux é eleito o próximo presidente do TSE

Postado Dezembro 07, 2017

De acordo com a assessoria do TSE, a posse deverá ser realizada em 6 de fevereiro.

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi eleito nesta quinta-feira (7), por 6 votos a 1, para a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A eleição de Fux ocorreu por meio de uma votação secreta em uma urna eletrônica. O tribunal terá três presidentes. Fux ficará no cargo até 15 de agosto de 2018, quando acabará seu segundo biênio como ministro efetivo do tribunal.

"Para mim é um momento de muita emoção, porque eu sou juiz de carreira e Deus me permitiu cumprir todas as etapas da minha carreira, inclusive essa no Tribunal Superior Eleitoral".

"Eu tenho a espinhosa missão de substituir duas excepcionais gestões, a do ministro Toffoli e a de vossa excelência [Gilmar Mendes] e creio em Deus que estarei à altura do exercício dessa missão", declarou. "Uma vez que vamos ter em 2018 uma situação que talvez seja marcante e histórica no TSE, quando o Tribunal terá três presidentes (durante o ano)", afirmou Mendes. Com a incompatibilidade de cargos, Rosa vai virar, então, presidente do TSE.

Atual presidente da Corte eleitoral, Gilmar Mendes afirmou que já vem trabalhando em parceria com Fux e Rosa para uma transição "tranquila" - para isso, eles têm se reunido para discutir temas relevantes, tendo em vista, principalmente, as eleições de 2018. A cerimônia deve ser antecipada em nove dias por conta do Carnaval, que, no ano que vem, coincidirá com o fim do mandato do atual presidente.

O TSE é composto de sete ministros: três do Supremo, dois do Superior Tribunal de Justiça e dois representantes da classe dos juristas - advogados com notável saber jurídico e idoneidade. "O tribunal deve assistir ao espetáculo eleitoral e intervir só em casos de infrações graves e quando se verificar manobras que desiguales as candidaturas", disse Fux. Inicialmente, ele ocupou uma vaga de ministro substituto.