R$ 130 bilhões no caixa do Tesouro

Postado Janeiro 12, 2018

As novas políticas operacionais do BNDES preveem, por exemplo, a prorrogação por mais um ano, até 31 de dezembro deste ano, da linha de financiamento de capital de giro com uma dotação orçamentária de 32 bilhões de reais, sendo 27 bilhões para operações indiretas e 5 bilhões para operações diretas com o banco.

"Para empresas grandes o salto pode até não ser tão grande".

Além disso, a instituição também pretende identificar potenciais clientes que possam tomar crédito para projetos em áreas que estejam colhendo bons resultados. Esse modelo, em que o banco financia negócios de empresas brasileiras no exterior, também foi alvo de muitas críticas. "É uma ótica de desenvolvimento e não de distribuição de renda", afirmou Costa.

O volume de financiamentos concedidos pelo BNDES vem caindo desde 2013, segundo dados do banco.

Segundo a Folha, o FAT pede que sejam devolvidos R$ 20 bilhões para gastos com seguro-desemprego e abono salarial. Esse apoio é muito relevante porque os tomadores do BNDES Giro são principalmente MPMEs. "Se comprarmos 100 por cento (das debêntures) vamos precificar a uma taxa mais alta.quanto menos debêntures menor será a taxa de financiamento do BNDES para debênture", disse Costa.

Outro motivo para a redução dos empréstimos seria a queda do repasse via Banco do Brasil da linha chamada Cartão BNDES, destinada aos pequenos empreendedores. De acordo com o diretor de Planejamento do banco, Carlos Dias Costa, uma das novidades é a inclusão da Taxa de Longo Prazo (TLP) como referencial dos financiamentos.

Em nota, o Ministério da Fazenda informou que a antecipação reduzirá a Dívida Bruta do Governo Geral em 1,6 ponto percentual do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país). No ano passado, o impacto teria sido marginal, com o banco voltando a operar em bases normais.

A expectativa da equipe econômica é que, com o passar do tempo, a TLP represente juros mais próximos aos praticados no mercado financeiro, o que representará o pagamento de menos subsídios por parte do governo federal.