Melhora na renda da população faz varejo crescer em janeiro, diz IBGE

Postado Março 15, 2018

As vendas do varejo restrito acumularam crescimento de 0,9% em janeiro, informou nesta terça-feira, 12, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em relação a janeiro de 2017, na série sem ajuste sazonal, a alta foi de 3,2%, o décimo resultado positivo nessa base de comparação, de acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio.

O acumulado nos últimos doze meses subiu 2,5% em janeiro de 2018 e teve sua maior alta desde de novembro de 2014 (2,6%), prosseguindo em trajetória ascendente desde outubro de 2016 (-6,8%).

Ainda com resultado positivo frente a dezembro de 2017, encontram-se: Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (3,7%); Tecidos, vestuário e calçados (0,9%); e Livros, jornais, revistas e papelarias (0,3%). Na média global, o varejo cresceu 0,9%. Quando comparado ao mesmo mês do ano passado, no entanto, o desemprenho do setor registrou retração de 0,3%.

No varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos e material de construção, as vendas cresceram 6,5%.

Três segmentos tiveram queda no volume de vendas de dezembro para janeiro: combustíveis e lubrificantes (-0,3%), móveis e eletrodomésticos (-2,3%) e artigos farmacêuticos, médicos e ortopédicos (-2,5%). As vendas de veículos e motos, partes e peças tiveram avanço de 3,8%, enquanto material de construção registrou declínio de 0,2%.

Apesar de o IBGE registrar alta nas vendas do varejo em 19 dos 27 estados do país, algumas unidades da região Norte ganharam destaque em janeiro. É o caso de Rondônia e Roraima, cuja alta na comparação com janeiro de 2017 ficaram em 18,2% e 14,5%, respectivamente. Por outro lado, Goiás (-9,2%) figura com a taxa negativa mais elevada dentre todas as Unidades da Federação. No Rio Grande do Sul (RS), na margem, foi apurada variação de 1,7% no varejo, na série dessazonalizada.